domingo, 29 de junho de 2008

NORMOSE

Lendo uma entrevista do professor Hermógenes, 86 anos, considerado o fundador da ioga no Brasil, ouvi uma palavra inventada por ele que me pareceu muito procedente: ele disse que o ser humano está sofrendo de normose, a doença de ser normal. Todo mundo quer se encaixar num padrão. Só que o padrão propagado não é exatamente fácil de alcançar. O sujeito “normal" é magro, alegre, belo, sociável, e bem-sucedido. Quem não se"normaliza" acaba adoecendo. A angústia de não ser o que os outrosesperam de nós gera bulimias, depressões, síndromes do pânico eoutras manifestações de não enquadramento. A pergunta a ser feita é: quem espera o que de nós? Quem são esses ditadores de comportamento a quemestamos outorgando tanto poder sobre nossas vidas?Eles não existem. Nenhum João, Zé ou Ana bate à sua porta exigindo que você seja assim ou assado. Quem nos exige é uma coletividade abstrata que ganha “presença" através de modelos de comportamento amplamente divulgados. Só que não existe lei que obrigue você a ser do mesmo jeito que todos, seja lá quem for todos. Melhor se preocupar em ser você mesmo. A normose não é brincadeira. Ela estimula a inveja, a auto-depreciação e a ânsia de querer o que não se precisa. Você precisa de quantos pares de sapato? Comparecer em quantas festas por mês? Pesar quantos quilos até o verão chegar?Não é necessário fazer curso de nada para aprender a se desapegar de exigências fictícias. Um pouco de auto-estima basta. Pense nas pessoas que você mais admira: não são as que seguem todas as regras bovinamente, e sim aquelas que desenvolveram personalidade própria e arcaram com os riscos de viver uma vida a seu modo. Criaram o seu "normal" e jogaram fora a fórmula, não patentearam, nãopassaram adiante. O normal de cada um tem que ser original. Não adiantaquerer tomar para si as ilusões e desejos dos outros.
É fraude.
E uma vida fraudulenta faz sofrer demais.

16 comentários:

anônimo disse...

moça, A normose pode ser definida como o conjunto de normas, conceitos, valores, esteriótipos, hábitos de pensar ou agir, que são aprovados por consenso ou pela maioria em uma deteminada sociedade e que provocam sofrimento, doença e morte.

bassani disse...

Cris, quanto ao comentário acima..
É obvio que nem todo conjunto de normas, conceitos, valores, esteriótipos, hábitos de pensar ou agir, que são aprovados por consenso ou pela maioria provoca alguma patologia que leve a sofrimento, doença e morte. Este conjunto (o normal para determinada sociedade, comunidade ou indivíduo num espaço tempo bem definido) pode também trazer benefícios ou simplesmente terem consequências neutras.
Uma boa semana.
abç

Thyago Ben Bem disse...

Acredito que a "normalidade coletiva" influencia sim o meio ambiente em que se vive.
Qdo estamos em outras terras logo logo pegamos o sotaque, o jeito e os vícios. Sentimos até o cheiro diferente do lugar novo em que estamos. No interior do Brasil...Ô terrinha "Bããão" de boa. Lá o povo é simples e o "normal" não é o nosso normal, garanto a voce.
Prova disso foi o PAN. O "normal" das americanas dançarem impediram que elas entrassem na boate do PAN.
Então, quem dita a regra do "normal" geralmente é quem está por cima; na escola, em grupo, na cidade, sociedade ou mesmo, em todo um país.

um abraço.

Edu disse...

minha menina,Penso que ser normal é poder, desde o amanhecer até ao entardecer, fazer o que se gosta sem se preocupar com o que ou quem irá dizer sobre suas atitudes, ser simples pois o principio da simplicidade é o de se aceitar como é e, não o de buscar estereótipos de beleza ou comportamento e principalmente, respeitar a quem realmente ama. Tenha uma ótima semana e boa sorte.

anônimo disse...

Oi,
sei o que é normose, e creio não o termo foi forjado na França por Jea Yves Leloup.
Da uma olhada nesse site: http://www.cuidardoser.com.br/normose-ou-anomalias-da-normalidade.htm

Explica o que você disse de uma forma + aprofundada.

Milene / Gobba disse...

Olá.
Seu blog está dez.
Chamo a atenção para este texto,sensacional.
Força sempre.
bjs

Nice/Gobba disse...

O que é ser normal(?)?, isso daria uma enquete e tanto, e um resultado assustador, melhor deixar quieto... da minha parte continuo usando interrogação quando preciso usar tal palavra, isso é normal(?)
bjs

Cristiane disse...

Oi Tina, imerso nesta paranóia de faço ou não faço parte da normose global e generalizada, penso que um viés interessante para esta crise existencial está representada na expressão "Ser ou não ser, continuar fazendo é a questão". RSRS
bjkas

Marcio Nascimento disse...

Permiti-me uma gostosa e duradoura risada após ler seu texto e os comentários...
Seu texto incomodou alguém (os anônimos), que se escondem atrás do anonimato, mas esta incomodação chega a ser prazerosa, pois o estado de reflexão é muito bom. “Ser ou não Ser, eis a questão”... abraços

Cha_bee disse...

Lendo o teu texto e pensando na frustação de quem sofre deste mal "NORMOSE", quanta frustação por não conseguir alcançar o objetivo!!!!!!!!!!!!!!!!!
Parabés AMIGA,pela postagemmm
bjs

anônimo disse...

A sociedade supervaloriza as pessoas normais. Educa as crianças para que se percam, se tornem irracionais, e assim se tornarem pessoas normais.
As pessoas normais mataram quase 100.000.000 de pessoas normais nos últimos cinquenta anos.isso causa sofrimento sr Márcio

savio bender disse...

Normose é assistir a escândalos políticos como corrupção e desvios de recursos de uma maneira normal. Embora reivindicações por mudanças sejam constantes, ficamos só no discurso. Ao invés de curar o mal pela raiz, somos tentados a simplesmente desviar do problema. Passiva, a sociedade aguarda providências das " autoridades" as quais, quem sabe, nunca chegarão.
Este texto fez alguns refletirem.
Parabéns

anônimo disse...

Cris! a Humanidade esteve diante das mais diversas pestes e doenças, mas creio que nenhuma foi tão sutil quanto a normose. Este foi o termo criado por Jean Yves Leloup para definir, não uma nova moléstia física, mas um tipo de comportamento moderno intensamente destrutivo e hostil.
Normose seria a doença que faz com que o indivíduo aceite comportamentos nocivos ou aja por sobre um plano ilusório de uma maneira normal.
O sujeito se acostuma tanto com determinada situação que nem pensa em questioná-la.
Ela passa a fazer parte do cotidiano, mesmo trazendo prejuízos significativos.
Acertou na escolha do assunto.
Saudades de vcs
abraços e bjs a todos
Renato Konzen

Nina Silva disse...

Normose é uma das doença mais
preocuoantes, é o fim da simplicidade, da autenticidade e do nós mesmos.
Cristina, vc acertou em cheio.
A-d-o-r-e-i o assunto.
Parabéns.
Bjssssssssssssssssssss

Jaqueline disse...

Todo mudo deveria ler esse seu post. No domingo, estava conversando com uma pessoa sobre profissões e brincos na orelha (meu filho mais novo tem um) quando ela disse. É melhor ele não usar brinco... hj ele quer ser produtor e tocar numa banda, mas depois ele vai querer uma profissão,” uma coisa normal”. Quer dizer que as pessoas que batalham pra nos dar lazer e cultura não é um profissional?
Um beijo
e parabéns pelo blog.

Moacyr Castellani disse...

Prezado Savio Bender, obrigado por publicar um trecho do meu artigo "A Peste do Século". Lembro apenas a importância legal e ética de citar nome do autor e fonte:
Moacyr Castellani (http://www.metacoaching.com.br/artigo/peste-do-seculo)
Obrigado,
Moacyr